Histórico da auto-avaliação

A autoavaliação, no UNIPÊ, constituiu-se em prática, desde os inicio dos anos 90, quando começaram a ser feitas as avaliações de caráter censitário dos docentes e discentes, conduzida pela Coordenadoria Geral de Avaliação Institucional (CGA). Desde então, a Instituição desenvolve em caráter permanente o processo de autoavaliação, conforme relatado no Plano de Avaliação Institucional (PAI), que constitui documento autônomo, anexo ao PDI. Este Plano de avaliação Institucional foi reformulado em 2004, de forma a incorporar novas orientações quanto à autoavaliação atendendo ao SINAES.

Ações fundamentais de preparação da autoavaliação institucional têm sido realizadas no UNIPÊ integrando-se ao seu calendário acadêmico, no segundo período letivo de cada ano, uma avaliação envolvendo docentes, discentes e o pessoal-técnico administrativo que dá suporte aos cursos de graduação. Esta avaliação, realizada pela Coordenadoria Geral de Avaliação Institucional, consiste na aplicação de questionários, cujas respostas são apuradas, e trabalhadas estatisticamente. Os resultados das avaliações são apresentados através de relatórios dedicados às coordenadorias de curso e relatórios globais, que sistematizam os dados de todos os cursos e encaminhados aos gestores superiores da Academia. Esses relatórios são insumos para a autoavaliação institucional.

Com a instituição do SINAES, o UNIPÊ vem ajustando as suas atividades de avaliação às diretrizes e normas desse novo Sistema, atenta aos processos macros, por ele contemplados, de avaliação da Instituição, dos Cursos de Graduação e do Desempenho dos Estudantes. Os dados consolidados nos relatório de autoavaliação, elaborados pela CPA anualmente, permitem verificar os pontos fracos, no desempenho dos diversos agentes da comunidade universitária e constituem insumos importantes no planejamento da organização. Sua análise enseja a formulação de ações e metas, tanto na área acadêmica quanto na administrativa, a serem propostas para execução pela comunidade universitária.

A avaliação no UNIPÊ é vista de uma forma global, envolvendo a autoavaliação e a avaliação externa, realizadas pelas Comissões do MEC/INEP, através da Análise dos Cursos de Graduação – ACG, por ocasião do seu reconhecimento, além de outras instâncias da avaliação externa. Dentre as avaliações realizadas pelo MEC destaca-se, como fonte de dados a serem considerados na avaliação global do desempenho do Centro, os resultados do Exame Nacional de Avaliação do Desempenho do Estudante – ENADE, a serem observados tanto pelos seus índices gerais quanto pela correlação que pode ser estabelecida entre a matéria de cada questão versada e os conteúdos curriculares do curso. Essa correlação permite identificar eventuais deficiências e adotar medidas no sentido de superá-las.

O processo de autoavaliação conforme o SINAES não é uma tarefa simples. Este exige o envolvimento de todos os segmentos do corpo social e novos investimentos na coleta, sistematização e análise dos dados necessários às avaliações das dimensões exigidas pelo SINAES. Dessa forma, ressalta-se a importância da realização de balanços críticos quanto aos resultados apresentados nos relatórios de autoavaliação institucional, com a participação de todos os atores desse processo. Ressalta-se, também, a meta-avaliação como ação necessária para a credibilidade e legitimidade do processo de autoavaliação.

Índice Geral de Cursos do UNIPÊ

O Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC) é um indicador de qualidade de instituições de educação superior, que considera, em sua composição, a qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação (mestrado e doutorado). Pelo terceiro ano consecutivo o UNIPÊ teve o melhor desempenho entre as instituições de ensino superior da Paraíba e entre os centros universitários privados de todo o Nordeste (Conceito 3 e Índices Gerais de Cursos iguais a 258, 252 e 254, respectivamente, para os anos de 2007, 2008 e 2009).