14/09/2015 09:38 am

A ideia que deu certo

O que parecia mais uma brincadeira acabou levando três estudantes do curso de Direito para um intercâmbio acadêmico na cidade de Coimbra, no distrito de mesmo nome, em Portugal. Elas, que se candidataram para embarcar na experiência e que já estão em terras lusitanas, agora podem dizer que o percurso foi proveitoso – e benéfico – até chegar onde estão. Brunna Stephanie, 18, Raíssa Lima, 26, e Juliana Nóbrega, 28, são as integrantes das Desbravadoras do Saber, campanha que ofereceu palestras para arrecadar fundos para esse sonho ser realizado.

“Tudo começou quando nós fomos aceitas pela seleção do intercâmbio na Instituição. Depois disso, nós criamos um grupo no WhatsApp para nos conhecermos melhor. Nessa situação, passamos a conversar sobre uma forma de arrecadar fundos para custear a nossa viagem”, disse Bruna. A ideia de uma campanha veio como uma brincadeira por parte de Raíssa, para animar as recentes amigas para a possibilidade da viagem. “Eu tinha recebido uma doação de um curso e surgiu a ideia de rifá-lo para arrecadar dinheiro”, contou Bruna.

Prosseguindo a história, Juliana lembrou que Brunna tinha visto uma pessoa realizar um intercâmbio com a venda de canecas, o que germinou a ideia para as Desbravadoras do Saber. “A campanha cresceu numa proporção que nós não esperávamos”, considerou.

A continuidade da campanha

O fomento às discussões da área para os estudantes foi ganhando corpo após uma surpresa: da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP, o prof. Álvaro de Azevedo se ofereceu para vir gratuitamente em João Pessoa para realizar uma palestra para concurso. “Ele não sabia quem éramos nós, e nos conheceu por meio das redes sociais”, comentou Juliana. “Ele se prontificou a vir aqui em João Pessoa com recursos próprios para dar uma aula de revisão para o exame da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB; doou uma caixa com 11 livros Vade Mecum; e nós ganhamos dele ainda um curso de mil reais para rifar”, acrescentou Raíssa.

O impulso havia sido dado. E não faltaram incentivos para que as Desbravadoras continuassem com a campanha e realizassem um trabalho juntamente com o alunado de Direito. Outras duas palestras foram realizadas: um simpósio e um workshop sobre as normas para trabalhos científicos da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT. “Nossos próprios professores pediam para não deixarmos a oportunidade passar. Eles davam o maior apoio, dizendo aos alunos que estávamos oferecendo cursos para que eles pudessem aprender. Além disso, nossos professores nos fizeram várias doações de livros para a campanha”, colocou Raíssa.

Crescer em conjunto

O viés da campanha não era só arrecadar dinheiro. Segundo as três estudantes, o intuito era crescer juntamente com os estudantes. “O intercâmbio é uma oportunidade de crescer acadêmica e pessoalmente. Mas demos a oportunidade aos alunos de crescer com simpósios, palestras, workshops, o que seria bom para o meio acadêmico e para os estudantes que querem também realizar um intercâmbio”, disse Brunna.

A ideia pode ainda perdurar. Elas contaram que, o molde de uma campanha como essa pode ser repassado para os discentes, como forma de estimular intercâmbios. “Foi um dos coordenadores do curso, Arthur Souto, quem sugeriu que a campanha continuasse para outros alunos, tipo uma herança”, complementou Brunna.

Fonte: Assessoria de Comunicação - ASCOM