09/10/2008 00:00 am

Nobel de Literatura vai para autor francês J.M.G. Le Clézio

 Jean-Marie Gustave Le Clézio ganhou o prêmio Nobel de Literatura, anunciado na manhã desta quinta-feira (9). O francês, de 68 anos, é romancista e ensaísta.

A academia sueca, que escolhe o vencedor do prestigioso prêmio de 10 milhões de coroas suecas (US$ 1,4 milhão de dólares), elogiou Le Clézio por suas novelas cheias de aventura e seus ensaios. O prêmio será entregue em 10 de dezembro.

No site do Nobel, a justificativa da escolha: "Autor de inovações, aventuras poéticas e êxtase sensual, explorador de uma humanidade que transcende a civilização dominante". Embora não seja um nome de ressonância entre o grande público no mundo, Le Clézio é tido na França como um dos maiores escritores da língua francesa hoje.

Ele escreve desde criança. Depois de se formar em literatura francesa, ficou conhecido aos 23 anos, ao lançar seu primeiro romance "Le Procès-Verbal", indicado para o prêmio Goncourt e premiado com o Renaudot em 1963, um dos mais importantes na França. Seu currículo inclui cerca de 30 livros.

Uma das obras lançadas por Le Clézio no Brasil é "O africano", que resgata a infância do autor. Em 1948, o francês se muda com sua família para a África, onde o pai trabalhou como médico. A narrativa acompanha a juventude do pai, os anos 60 e as tragédias do continente africano. A edição é ilustrada com fotos do acervo pessoal do escritor. Outras obras lançadas no Brasil são "O deserto", "A quarentena" e "Peixe dourado".

Inicialmente, as agências de notícias afirmaram que esta seria a primeira vez que um escritor francês ganhara o prêmio desde 1985, com Claude Simon. Mas em 2000, o Nobel foi dado ao escritor chinês Gao Xingjian, que se radicou na França e tornou-se cidadão.

Os favoritos de sempre mais uma vez não venceram, como romancista norte-americano Philip Roth e o japonês Haruki Murakami, que encabeçavam a lista de apostas para o prêmio deste ano.

A casa de apostas Ladbrokes deu ao jornalista e acadêmico italiano Claudio Magris uma chance em três, seguido por Amos Oz e Joyce Carol Oates. No último lugar da lista da Ladbrokes, com uma chance em 150, estava o cantor e letrista norte-americano Bob Dylan.

A romancista britânica Doris Lessing foi uma vencedora surpresa no ano passado.

Alfred Nobel, que fez fortuna ao inventar a dinamite, criou os prêmios para a paz, a literatura e várias ciências em seu testamento, em 1895. Os prêmios foram entregues pela primeira vez em 1901 e um prêmio adicional, para a economia, foi estabelecido em memória de Nobel, em 1968.

Fonte: Assessoria de Comunicação - ASCOM